Deixe claras as regras e os limites

Home/lemos-gostamos-compartilhamos/Deixe claras as regras e os limites

Deixe claras as regras e os limites

“Filho meu, guarda as minhas palavras e conserva dentro de ti os meus mandamentos. Guarda os meus mandamentos e vive; e a minha lei, como a menina dos teus olhos.” Provérbios 7: 1-2

Seus filhos só seguirão as regras se entenderem o motivo delas. Do mesmo modo, só respeitarão os limites que conhecerem. Caso contrário, farão tudo a seu modo.

Por meio de regras claras e bem estabelecidas em sua casa, seu filho saberá exatamente qual é a forma correta de falar, de pensar, de raciocinar e de agir em cada caso. Isso dará a ele segurança e tranquilidade. Ter limites bem definidos fará com que seu filho saiba até que ponto pode ir, e isso lhe dará responsabilidade e caráter.

Por isso, você, como pai, tem a responsabilidade e o dever de traçar as regras e os limites de sua casa no intuito de que seus filhos vivam melhor e cresçam de modo mais saudável.

Assim, é preciso entender: há uma grande diferença entre criança “ativa” e criança “mal educada”. Crianças precisam ter vivacidade, devem brincar, perguntar e até mesmo fazer bagunça. O problema surge quando essas atitudes passam dos limites, quando seu filho não respeita aquilo que você considera o mais correto para ele.

Os pais têm o dever de educar os filhos. Isso significa, inicialmente, impor as regras essenciais ao seu bom convívio em casa e, em seguida, na sociedade como um todo. Estabelecer horários e agir de modo que deixe claro para a criança a existência de autoridade e de limites dentro de casa ajuda a desenvolver elementos fundamentais na formação de caráter de seus filhos.

O problema mais comum é que, atualmente, os pais não sabem assumir essa autoridade. Isso, de fato, me dá um aperto no coração. As crianças não têm mais limites e toda criança sem limites se torna rebelde e cheia de caprichos, achando que todo mundo “sempre lhe deve algo”. Esse tipo de comportamento tem grande chance de transformá-la em um adulto autoritário, dominador, frustado e infeliz.

Cada caso é um caso, porém procuro sempre pregar a disciplina. A criança precisa receber regras claras e objetivas, que premiam a boa conduta e disciplinam as más, sem gritos e agressões; apenas fazendo com que as regras sejam respeitados.

Existe uma diferença entre castigo e disciplina. Castigo é punição, agressão, enquanto disciplina é ensino. Educar é transmitir vida. Fazer ameaças às crianças também não resolve, pois nem sempre os pais as cumprem, o que acaba ocasionando perda de autoridade. É necessário, acima de tudo, expor claramente as regras do jogo para seus filhos e usar autoridade para fazer com que elas sejam cumpridas.

Mas atenção: com eu já disse, assumir a autoridade não tem nada a ver com gritos ou uso de violência. Não é esse o caminho para educar. É preciso ser firme no momento de mostrar limites às crianças, mas também ser amoroso na hora certa para que elas saibam que as regras lhe estão sendo impostas porque você as ama. Todo criança pode entender qualquer explicação se você se abaixar ao nível dela e falar olhando em seus olhinhos.

Ensinar disciplina é essencial. As crianças devem saber que as regras precisam ser cumpridas e o motivo dessa necessidade.

Dica: crie horários para as brincadeiras, os passeios e as tarefas de escola, por exemplo. Faça um desenho numa cartolina e explique para seu filho como será a rotina da casa. Quando ele quiser algo fora do horário, mostre o cartaz e lembre-o do combinado. Assim você estará ensinando a ter disciplina e, principalmente, que os limites existem e devem ser respeitados. A mudança de comportamento será percebida em pouquíssimo tempo!

(Cris Poli – Filhos autônomos, filhos felizes)

2017-07-31T22:10:38+00:00 31 julho, 2017|lemos-gostamos-compartilhamos|